Segundo dados do Observatório Digital de Saúde e Segurança do Trabalho, foram registrados, entre 2012 e 2018, em Varginha, 994 auxílios-doença por acidentes de trabalho, gerando um impacto previdenciário superior a R$ 7,5 milhões. Só em 2018, foram 136 afastamentos com auxílio-doença, o que representa uma despesa de R$ 646 mil. No mesmo período, 17 mil trabalhadores perderam a vida em acidentes de trabalho no Brasil.

Os dados demonstram a importância do profissional de segurança do trabalho no mercado. Por motivos legais e humanitários, as empresas devem zelar pela segurança dos seus colaboradores. “Empresas que não trabalham com a prevenção de acidentes são multadas com valores que podem chegar até 6% do valor da sua folha de pagamento explica o orientador de cursos do Senac Marco Caé.

Carreira empreendedora

O orientador explica ainda que a atuação profissional em segurança do trabalho contempla, entre outras funções, a de técnico e engenheiro. “Há oportunidades de progressão na carreira em que o técnico pode buscar uma graduação na área e almejar o posto de engenheiro de segurança do trabalho. Entretanto, ainda como técnico, o profissional tem campo para atuação como funcionário, compondo equipes de saúde, segurança e medicina do trabalho (SESMT) ou ainda prestando consultoria”, diz. Josias Menezes, 22, sonha em trilhar uma carreira na área. Há dois meses se matriculou no curso técnico em segurança do trabalho do Senac e conseguiu uma oportunidade por meio do portal Rede de Carreiras. “Sempre me identifiquei com a área, sonho em construir uma carreira e hoje alcancei meu objetivo: fui contratado para trabalhar como técnico em segurança do trabalho em uma empresa do ramo imobiliário”, comemora.

 

Fortalecimento e a valorização do ensino técnico

Para quem quiser se profissionalizar nessa área, o Senac oferece, em Varginha, o curso Técnico em Segurança do Trabalho, com duração média de 18 meses e carga horária de 1.200 horas. A formação técnica, a propósito, vem se tornando uma alternativa cada vez mais assertiva para a entrada no mercado de trabalho. O contexto atual mostra que o fortalecimento e a valorização do ensino técnico são caminhos naturais diante da diversificação das indústrias, do crescimento da economia e da modernização dos setores de comércio e serviços. “Os jovens estão começando a considerar não apenas a faculdade, mas também o curso profissionalizante como uma alternativa para a sua formação profissional”, destaca o diretor do Senac em Varginha, Edivaldo Amorim.

Ponto para quem previne acidentes

Caso ocorram acidentes de trabalho, o custo da multa deve ser arcado pela empresa. No entanto, a Previdência e o Ministério do Trabalho e Emprego podem proporcionar um “bônus”, para as empresas que reduzem a quantidade de acidentes de trabalho. Elas conseguem uma redução na alíquota do Seguro de Acidente de Trabalho, que varia de 1 a 3%, o que, para muitas empresas, pode significar milhões. Por isso, mesmo quem não precisa contratar um profissional da área deve se prevenir para garantir a segurança e o bem-estar dos funcionários, bem como evitar custos que podem prejudicar o negócio”, diz Caé.

Mais informações sobre o curso pelo telefone (35) 2105 5700, pelo site www.mg.senac.br ou na central de atendimento da instituição (Rua Mariana Figueiredo, 401 – Vila Adelaide).

WhatsApp
Enviar